Melatonina: entenda o que é, como funciona e como ingerir

30 de maio de 2017
A melatonina e o sono

Entenda a relação entre a melatonina e o sono.

A melatonina, ou N-acetil-5-metoxitriptamina, é um hormônio produzido naturalmente pelo corpo humano, mais precisamente pela glândula pineal, que tem como uma de suas funções básicas a indução ao sono. Está relacionada com a regulação do metabolismo ao longo do dia, o que inclui os períodos em que a pessoa está dormindo ou acordada.

Para entender a relação do hormônio com o sono, é importante saber como este funciona.

Como funciona o sono
O sono é um estado transitório e reversível, que se alterna com a vigília (estado desperto). Seu processo ativo envolve múltiplos mecanismos fisiológicos e comportamentais em vários sistemas e regiões do sistema nervoso central.

O sono apresenta dois estados distintos:

Sono não REM

Sua atividade é mais lenta e é dividido em três fases que variam  de acordo com a progressão e a profundidade.

Sono REM

Sono com atividade cerebral de baixa amplitude e mais rápida. É caracterizado por movimentos oculares rápidos e de relaxamento muscular máximo, além de ser a fase onde ocorrem os sonhos.

Em um indivíduo normal, o sono não REM e o sono REM alternam-se ciclicamente ao longo da noite repetindo-se a cada 70 a 110 minutos, com 4 a 6 ciclos por noite. Normalmente o sono não REM concentra-se na primeira parte da noite, enquanto o sono REM predomina na segunda parte.

Função da melatonina no sono
A melatonina é sintetizada a partir da serotonina. A secreção desse hormônio diminui com a idade e influi sobre o ritmo sazonal e circadiano – período de aproximadamente 24 horas sobre o qual se baseia o ciclo biológico de quase todos os seres vivos – sobre o ciclo sono-vigília e sobre a reprodução.

Trata-se de um hormônio que apresenta um padrão de secreção dia-noite, sensível à luminosidade, com início de elevação no início da noite e queda no final da noite, funcionando como indutor do sono.

A luz é o fator ambiental mais importante para a regulação de melatonina. A exposição à luminosidade (luz brilhante) é suficiente para suprimir a síntese desse hormônio. A exposição à luz durante a fase escura inibe a produção de melatonina de forma aguda, mas a escuridão não estimula a sua produção. Quando a melatonina é secretada em horários diferentes do fisiológico, ocorre aumento da sonolência e diminuição da temperatura corporal. De forma semelhante, se a melatonina é inibida pela luz, há diminuição da sonolência e aumento da temperatura corporal.

Melatonina X sono
 Como hoje existem cada vez mais estímulos luminosos, mesmo durante a noite, como televisão, computadores e o uso constante do celular, algumas pessoas podem ter uma produção menor ou mais irregular da melatonina.

Não dormir o suficiente é prejudicial tanto para a  saúde quanto para a  produtividade. Pelo fato de a melatonina ser um hormônio relacionado ao ciclo do sono, é indicada, atualmente, para quem tem dificuldade de começar a dormir, de manter o sono ou de ter um descanso de qualidade durante a noite.

Ações da Melatonina
Entre as várias ações  já comprovadas, se destacam:

Imunomodulatória: age sobre linfócitos, citocinas, entre outros, melhorando as defesas imunológicas do organismo.

Anti-inflamatória: inibe prostaglandinas e regula a COX-2.

Antitumoral : inibe mitoses e suprime a recaptação do ácido linoleico, regulando assim receptores de estrogênio, incluindo o câncer de cólon e mama.

Antioxidante: regula pró-oxidantes envolvidos na síntese do óxido nítrico e lipoxigenases, e regula os ritmos biológicos.

Ajuda a combater o estresse oxidativo: prevenindo e desacelerando a progressão da aterosclerose, Doença de Parkinson, Doença de Alzheimer, acidentes vasculares cerebrais, esclerose múltipla, síndrome da fadiga crônica e outras doenças neurodegenerativas.

Controla o estresse: podendo também ser usada para cães com a finalidade de reduzir a ansiedade sentida por eles.

Dosagem usual
Dependendo do uso, pode ser administrada em até 10 mg diárias. As doses para proporcionar a regularização do sono variam de 0,3 a 0,6 mg do produto. Para pessoas com insônia, as melhores doses, e que são, também, as mais controladas, são de 1 a 3 mg. Dependendo da aceitação ou não aceitação do corpo ao medicamento, aumenta-se a dose. Algumas insônias, mais avançadas, pedem até 20 mg, entretanto devem ser administradas com a prescrição de um médico.

Reações Adversas
A melatonina é considerada uma substância de baixa toxicidade e uso seguro, se comparada com diversos fármacos de uso comum, principalmente os hipnoindutores. Foram relatadas reações como fadiga, cefaleia, tontura e irritabilidade, além de sonolência diurna. O efeito em longo prazo ainda é desconhecido.

Contraindicações
O uso da melatonina é contraindicado em casos de gravidez e aleitamento. É recomendável evitar o uso da melatonina para bebês e crianças. Uma terapia hormonal por si só é bastante delicada, pois interfere em todo o sistema neuroendócrino, especialmente em faixas etárias mais baixas, para aqueles que estão em plena fase de desenvolvimento. Trabalhadores não devem operar máquinas cerca de 4 a 5 horas depois da ingestão de melatonina.

Interações medicamentosas
-Nunca usar a melatonina concomitantemente com medicamentos sedativos (Clonazepam, Lorazepam, Fenobarbital, Zolpidem, etc), pois a sonolência será excessiva.

-Não deve ser utilizada por pacientes que fazem uso de imunossupressores, como os transplantados, por exemplo. Pois é um estimulante para o sistema imunológico.

-Pacientes que fazem uso de  drogas anticoagulantes não devem utilizá-la pois ela pode afetar processos de coagulação sanguínea, o que aumenta consideravelmente os riscos de hemorragia.

-Os anticoncepcionais parecem estimular a produção endógena de melatonina, por isso é recomendado evitar a suplementação com a melatonina sintética.

-A ingestão de bebidas ou suplementos a base de cafeína diminui sua eficácia.

-Antidepressivo fluvoxamina aumenta a absorção da melatonina e, com isso, as ocorrências de efeitos colaterais são mais imediatos.

-A melatonina pode diminuir a eficácia do anti-hipertensivo Nifedipina.

-O medicamento Verapamil diminui a eficácia da melatonina por estimular sua eliminação do organismo.

-O medicamento Flumazenil também diminui sua eficácia.

Ficou com alguma dúvida? Compartilhe conosco nos comentários!

 

Você pode gostar também

Sem Comentários

Deixe uma resposta