Propriedades e benefícios da sucupira

1 de agosto de 2017
Propriedades e benefícios da sucupira

Conheça as propriedades e benefícios da sucupira.

Devido ao fato de causarem bem menos efeitos colaterais que os remédios industrializados, os remédios naturais  (provenientes de plantas)  têm sido muito usados para tratar dores. Entre essas plantas, muito utilizadas na medicina natural, está a sucupira. Existem dois tipos: a sucupira e a sucupira branca, o que às vezes acaba resultando em dúvidas no momento da escolha.

Conheça as características e os benefícios específicos de cada uma delas:

Sucupira (Bowdichia major Mart)
Sua árvore mede de 8 a 16 m de altura, apresentando tronco de 30 a 50 cm de diâmetro. A 1ª edição da Pharmacopeia brasileira, de 1926, caracteriza a sucupira da seguinte forma: “A casca é apresentada em grandes pedaços planos ou levemente encurvados, com comprimento e largura variáveis. A superfície externa é parda-escura e com numerosas verrugas de cor de ferrugem, rachas longitudinais profundas e algumas transversas bastante espaçadas. A porção suberosa separa-se com certa facilidade e descobre o parênquima cortical,que é pardo-avermelhado. A face interna é amarelada e apresenta estrias longitudinais bem visíveis. A fratura é granulosa nas camadas exteriores e de aspecto fibroso e folheado na parte interna. Seu sabor é amargo e adstringente.’’

Indicações
As sementes e a casca da sucupira são popularmente utilizadas no combate ao excesso de ácido úrico do corpo, amigdalite, artrite, asma, blenorragia, cistos ovarianos e no útero, debilidade orgânica, dermatoses, diabetes, dor de garganta, dores espasmódicas, feridas, hemorragias, inflamações, reumatismo, sífilis e vermes. Possui, também ação coadjuvante no tratamento do câncer, além de ser um ótimo tônico.

Homeopatia
Em Homeopatia é indicada para tratamento de úlceras cancerosas, alguns tipos de eczemas, cravos nos pés, vegetações sifilíticas, reumatismo, diabetes, hemorragias e blenorragia (doença sexualmente transmissível, provocada pela bactéria Gram-negativa Neisseria gonorrhea).

Sem contraindicações
É considerada segura para o consumo, não possui contraindicações e não há referências nas literaturas sobre toxicidade.

Dosagem e Modo de Usar
– Infusão ou Decocção: 6 sementes para cada 1,5 l de água.
– Extrato seco: 400 mg duas vezes ao dia.
– Extrato fluido: 0,5 a 2 ml ao dia.
– Pó: 500 mg duas vezes ao dia.
– Tintura: 2 a 10 ml ao dia; 20 gotas três vezes ao dia.

Sucupira branca (Pterodon pubescens)
Já a sucupira branca é uma árvore aromática de tronco cilíndrico de 40 a 60 cm de diâmetro, revestido por casca lisa branco-amarelada que chega a atingir 8 a 12 m de altura. É uma planta nativa do Brasil, encontrada desde o Tocantins até o Paraná e utilizada pelos índios Pataxós, há muitos anos, com propriedades curativas já reconhecidas pelo uso popular. É uma árvore nativa rústica e mais comum nas regiões intermediárias entre Mata Atlântica e Cerrado. Sua madeira é muito procurada e famosa. Nos meses de agosto e setembro, apresenta floração roxa azulada.

Suas raízes ocasionalmente formam expansões ou túberas denominadas de “batata-de-sucupira”, constituindo-se em órgãos de reserva de planta. Folhas compostas pinadas, flores de cor rosada, dispostas em inflorescências paniculadas terminais. Possui frutos do tipo sâmara arredondada com uma única semente, fortemente protegida por uma cápsula fibro-lenhosa e envolvida por uma substância oleosa. A casca produz um óleo volátil e aromático, muito eficiente no tratamento do reumatismo, possivelmente o mesmo encontrado nos alvéolos das sementes.

Esta planta é frequentemente confundida em publicações populares com a espécie Bowdichia virgilooides Kunth, morfologicamente bem diferente daquela, principalmente os frutos (vagens), porém com os mesmos nomes populares.

Indicações
Suas sementes são conhecidas por aliviar as dores e pelos seus efeitos anti-inflamatórios. São amplamente utilizadas com fins medicinais em função de suas ações antirreumáticas, analgésicas, antimicrobiana e no tratamento de faringites, amigdalites e bronquites em humanos. Já eram utilizadas pelos antigos para fazer chás no intuito de tratar o reumatismo, a artrite e dores crônicas.

Contraindicações
Não foram encontrados na literatura atual efeitos colaterais para o consumo da planta. Deve-se evitar o uso na gravidez e lactação e aos portadores de doença hepática e /ou renal.

Dosagem e Modo de Usar
– Extrato seco: 500 mg, uma a duas vezes ao dia.

Todos esses benefícios da sucupira demonstram como a natureza e a medicina natural podem disponibilizar recursos necessários para o tratamento dos mais diversos tipos de doenças.

Se interessou pela sucupira? Compartilhe conosco nos comentários!

Banner-Produto-Sucupira-500mg---60-cápsulas

Você pode gostar também

Sem comentários

Deixe uma resposta