Quais alimentos combatem a depressão

5 de setembro de 2017
Quais alimentos combatem a depressão

Saiba quais alimentos combatem a depressão.

Um transtorno mental muito comum na atualidade é a depressão. O Ministério da Saúde estima que 24 milhões de pessoas na América Latina sofrem desse mal.

A depressão é uma doença do sistema nervoso caracterizada, principalmente, por sintomas como falta de energia, de humor, e de interesse ou vontade de fazer as tarefas de rotina, além de sintomas físicos como dor de cabeça e de estômago. Ela é tratada por meio de acompanhamento com psiquiatra e psicólogo.

Matérias-primas fundamentais

Nosso cérebro é responsável pela produção de neurotransmissores  como a serotonina, que regula o nosso humor e nos dá a sensação de bem-estar e de saciedade. Apesar de não substituir a intervenção medicamentosa e a terapia, uma alimentação rica em triptofano (aminoácido), magnésio, cálcio (minerais), vitamina B6, ácido fólico (vitaminas)  pode ajudar a produzir mais serotonina – já que essas são matérias-primas fundamentais para sua síntese –  aumentando o bom humor, diminuindo em 50% o risco de desenvolver a depressão e ajudando no combate do distúrbio.

Os alimentos têm papel decisivo no funcionamento dos neurônios. Uma linha de pesquisa mostra que o cardápio faz, sim,  muita diferença na batalha contra o transtorno que abala o humor e a disposição. O psiquiatra Drew Ramsey, professor da Universidade Colúmbia (EUA) apresentou uma escala de nutrientes cruciais na prevenção e no combate ao distúrbio, na qual ômega-3, magnésio, fibras, zinco, ferro, além das vitaminas C, B1, B9, e B12 devem ser  os destaques à mesa para espantar o já chamado mal do século. Para isso, o indicado é uma dieta rica em folhas verdes, oleaginosas e peixes.

Alimentos que combatem a depressão

Confira em quais alimentos são encontrados os nutrientes a serem consumidos para combater a depressão:
Triptofano e ômega-3: carne, peixe, frutos do mar, ovo, castanha, amendoim, ervilha, abacate, couve-flor, banana, grão-de-bico e abacate;
Cálcio: leite e derivados, de preferência, desnatados;
Magnésio: chocolate, castanhas, amêndoas, sementes de abóbora, arroz integral, gérmen de trigo, aveia, abacate e banana;
Vitaminas do complexo B: espinafre, couve manteiga, leite e derivados, fígado, frango, ameixa e melancia;
Vitamina C: acerola, goiaba, abacaxi, laranja, limão, tangerina, amora, framboesa.

Para obter resultados na melhora do humor, esses alimentos devem ser consumidos diariamente em todas refeições, sendo importantes também para perder peso e melhorar o trânsito intestinal.

Comida que entristece

Existem alimentos que podem até nos dar prazer instantâneo, entretanto, provocam alterações bruscas no nível de açúcar no sangue, levando a mudanças na produção de hormônios no corpo e ao aumento do peso, fatores que aumentam as chances de ter e de piorar a depressão. São eles:

Açúcares
Aqueles presentes nos doces e também dos provenientes de alimentos refinados. Podem viciar e levar à inflamação do cérebro. Fontes: Refrigerantes, doces e itens processados.

Gorduras
As trans e o excesso de saturadas são o perigo. Há indícios de que interferem na área do cérebro que lida com o estresse, expondo-o a ansiedade e depressão. Fontes: Embutidos, carne vermelha e industrializados.

Álcool
Atrapalha a absorção de nutrientes primordiais ao cérebro e eleva o estresse oxidativo. O exagero faz subir o risco de dependência e de uma maré depressiva. Fontes: Cerveja, vinho, uísques e drinques.

Tratamento da depressão

Além da alimentação, para combater a depressão também é necessário tomar atitudes como:
-Fazer acompanhamento com psicoterapeuta;
-Conversar e sair com amigos e familiares;
-Evitar esconder os sentimentos e os problemas;
-Tomar remédios apenas sob orientação médica.

Também é importante lembrar que a depressão é uma doença séria e que o apoio da família é fundamental para a superação do problema. Fazer o tratamento adequado sem desistir dos cuidados é essencial para a cura da depressão.

 

Você pode gostar também

Sem comentários

Deixe uma resposta